terça-feira, maio 23

313. Cacareja, cidadão!

Comportamo-nos como galinhas assustadas, foi isso que aconteceu no último dia 15; fomos umas galinhas, como somos galinhas com tudo. Afinal, quem quer dar a tapa à cara? É mais fácil esconder-se, concordo, o medo nos domina. Mas não haveria bandidos suficientes para nos matar a todos. Mas como nem sabemos o que significa o sentimento de coletivo, aproveitaram-se disso; a ameaça foi como se tivesse sido desferida contra cada um de nós. Cada um só via a si mesmo morto e baleado. Os outros? Que se danassem!

Como me vêm falar de um país diferente, de igualdade social, de direitos civis, de uma sociedade melhor, sendo que em tudo, somos umas galinhas assustas. E se aproveitam disso, todos. Ficou patente porque foi o «poder paralelo» que manejou o cetro dessa vez. Mas o Poder Público – que elegemos para que nos represente – faz isso conosco todo o tempo! Quando muda algum dos mandatários executivos, não se sabe se determinados procedimentos permaneceram da mesma forma; ou que aquela novidade introduzida pelo prefeito em término de mandato será mantida – mesmo que ele seja reeleito. Da mesma maneira que a criminalidade nos atormenta com os projéteis, os nossos representantes nos ameaçam com leis e regulamentos, com o jogo de toma-lá-dá-cá. Haja vista a balbúrdia que é aprovar o Orçamento Federal todo ano.

Entre o Primeiro Comando da Capital e as agremiações partidárias, ultimamente, há muito pouca diferença. Ambos nos ameaçam. Experimente não ir votar, ou não se alistar no Exército, ou negar-se a ir trabalhar de mesário. Os dois poderes enfiam a mão no nosso bolso e não nos retornam nada: um, muito mais honesto, com uma arma ou um canivete apontado contra um; o outro, subtilmente, de pouco em pouco, uns centavos no quilo de feijão, outros no saco de arroz, uns diretamente da sua conta bancária. Os dois enfiam a mão no nosso bolso; são tecnicamente iguais.

O pior de tudo é a postura do Estado, baseado em conceitos do politicamente-correto, em fazer que nos sintamos responsáveis pela situação caótica. «A esmola é o imposto social pela miséria», o tanto que se arrecada em impostos nesse país, para onde vai? É a pergunta que escuto desde que tinha 5 anos; meu pai a faz, meu avô a fazia. Tanto se a faz, que virou já clichê.

O Estado, no modelo atual, na situação atual - e pelo menos cá, em Pindorama - é uma instituição morta-viva: morta para uma coisas e vivíssima para outras; para a cobrança de impostos por exemplo. E nós, tratados como galinhas de granja pelos empregadores - leia-se em abstrato, mesmo você, profissional liberal: produzam, produzam! - e pelo Estado - queremos os ovos somente... - dizem-nos, dizem-nos: «Cacareja, cidadão!»

3 Comentários:

Anonymous CAJAMAR disse...

Jovem, és perspicaz...

Abraço

terça-feira, maio 23, 2006 9:52:00 da tarde  
Blogger Senhor Lancaster disse...

O Brasil é o único país que conheço que não teve apogeu: nasceu e vai direto e sem escalas para o perigeu.

domingo, maio 28, 2006 3:16:00 da manhã  
Blogger Sergi-Domenech Ferrer i Vernau disse...

Da barbárie à decadência... sim, sim.

segunda-feira, maio 29, 2006 8:52:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home