quarta-feira, agosto 16

343. Horas de ponta e mola

Horas de ponta e mola
(Banda do Casaco)

Música: Nuno Rodrigues
Letra: António Avelar Pinho
In: «Dos Benefícios dum Vendido no Reino dos Bonifácios», 1975


É um sujeito é um escritório
uma gravata, um suspensório
uma conversa de latrina
é um verbete, uma aldrabice
é um trabalho, uma chatice
entre fumo e aspirina.

É numa rua o pôr da sola
calçada nas horas de ponta e mola
são conversas de cotovelo
é um eléctrico um pendura
um regresso e uma tontura
é um sorrir muito amarelo.

É uma casa uma família,
uma torrada um chá de tília,
uma conversa de fastídio
é um chinelo e um menino
televisão com o Vitorino
a lentidão de um suicídio.

É numa rua o pôr da sola
calçada nas horas de ponta e mola
é um silencio e um ritual
são os lacaios do comendador
são as gravatas sem cor
na procissão dum funeral.

Áudio.

2 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

Oi Sergio! Passei por aqui só para matar a saudade.
Abraços

quarta-feira, agosto 16, 2006 7:51:00 da tarde  
Blogger Sergi-Domenech Ferrer i Vernau disse...

Abraços pra você também, mas se você dissesse quem é, ficava fácil retribuir... abraço.

quinta-feira, agosto 17, 2006 9:21:00 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home